Praça dos Girassóis — Palmas, TO

(63) 3213-3633

7 FORMAS DE SER TESTEMUNHA DE JESUS NO SEU TRABALHO

Imagem: Paroquianos servindo nos Festejos da Catedral – Foto: Heraldo Lima

Quando começamos a buscar uma vida de intimidade com Deus uma das primeiras inquietações que surgem é a cerca da prática do evangelho no cotidiano da vida. Não obstante os desafios diários e as limitações humanas é necessário questionar-se: Eu tenho transmitido aos outros os princípios cristãos? Vivo o que rezo e escuto de Deus?

E quando se trata do trabalho: Tenho tido atitudes cristãs? Como saber se minhas ações têm refletido a minha espiritualidade?

Preparamos uma lista de 7 atitudes concretas de vivência do evangelho no ambiente de trabalho, a fim de propor uma reflexão: Vivo como um trabalhador cristão? E ainda mais, como transformar meu ambiente de trabalho em um ambiente evangelizado?

#1 A regra de ouro: Fazer ao próximo o que você gostaria que fizessem a você (Mt 7, 12)

A conhecida regra de ouro cristã deve fazer parte dos princípios das nossas relações. O ambiente de trabalho geralmente pressupõe relacionamentos, e é necessário procurar todos os dias o bem-estar do outro de forma altruísta e desinteressada. Se meu colega de trabalho estiver bem, eu estou feliz. Trata-se aqui de viver concretamente a principal mensagem de Jesus Cristo: “Amai o próximo como a ti mesmo” (cf. Mt 22, 39)

#2 Honestidade (Rm 12, 17/ I Tes 5,5)

Sucesso profissional e desenvolvimento financeiro podem cegar e tornarem-se porta de entrada para corrupção ou outras atitudes desonestas. Portanto, é preciso vigiar para que a vivência da honestidade seja um pilar tão sólido que nada mova o coração e a mente para o desvio de caráter.

#3 Diálogo com todos (I Cor 9,22)

Um ambiente de trabalho com muitos colaboradores precisa ser cultivado entre amizades e atenções recíprocas. Nem sempre é fácil interagir com quem pensa diferente ou até mesmo tem princípios religiosos e ideologias diversos, mas não é no embate de opiniões e discussões que isso vai mudar. Muito mais que ser um impositor do cristianismo, é preciso ser um cristão. Como costuma-se dizer: a palavra convence, mas o testemunho arrasta.

#4 Mansidão (Mt 5, 5)

Ser manso é uma bem-aventurança do evangelho, que vem seguida de uma promessa: “os mansos possuirão a terra”. Cultivar a virtude da mansidão, que está longe de ser passividade estática, é um caminho de esvaziamento de si e das tendências controladoras, mas é manter o ambiente em que se vive pacífico.  Ser manso é ser delicado com todos, atencioso, compreensivo, e não levantar a voz.

#5 Orai em todas as circunstâncias (Ef 6,18)

O trabalho não pode ser um empecilho para o cultivo da oração, muito pelo contrário, é preciso vigiar e orar sempre. Fazer das circunstâncias e provações diárias momentos de oração, escuta atenta de Deus nos sinais, e ainda mais de intercessão pela vida dos irmãos.

#6 Dar bons conselhos (Dn 12, 3)

Durante o ano da Misericórdia em 2016, o papa Francisco falou diversas vezes a cerca das obras de misericórdia. Uma delas, e que faz toda a diferença num ambiente de trabalho é dar um bom conselho, munido da sabedoria do Evangelho. Isso pode ser um termômetro sobre o testemunho cristão e todas as características já mencionadas: se os seus colegas de trabalho lhe procuram para .

#7 Pureza nas ações (Rm 13, 12)

No tempo em que vivemos tudo se encontra sexualizado, de modo que, a pureza tornou-se algo continuamente ridicularizado – deixando de ser uma virtude buscada como outrora. Piadas imorais, assédio, machismo e tantas outras formas de impureza, tem se alimentado dessa cultura do “tudo pode”. Porém, a vida no Espírito mostra um novo caminho para os cristãos: a pureza, ou seja, a vivência santa e humana das relações. Isso mesmo: humana e santa. Quanto mais humana a relação, mais próxima da santidade ela está. A impureza é uma desumanização das relações.

Gostou do reflexão? Ajude-nos a evangelizar, compartilhe.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.