Praça dos Girassóis — Palmas, TO

(63) 3213-3633

Artigos › 10/08/2018

Música: como saber se sou chamado a essa missão?

Eu gosto muito de cantar!”, “Eu me realizo quando estou tocando um instrumento!”, “Meu Deus, quando eu escuto uma canção eu me transporto para um outro lugar!” Esses são só alguns dos sentimentos que, a maioria de nós, temos, quando nos vemos diante da música. É algo absolutamente normal afinal, como diria Moacyr Scliar, “a arte foi inventada para nos ajudar a viver melhor”.

Mas, será que estes são indicativos para definir que eu sou vocacionado – chamado – ao ministério de música?

“participam assim [os músicos] na finalidade das palavras e ações litúrgicas: a glória de Deus e a santificação dos fiéis”/ I,magem: Ascom Catedral

Vocação, talento ou dom?

Vocação significa chamado, portanto pressupõe um movimento de duas ações: chamar e responder. Quando se trata de música e vocação, é preciso entender que a espiritualidade é o indicativo que dá suporte a esse entendimento. Quando Deus chama alguém a música como missão, o processo sempre parte de uma profunda intimidade com o Senhor.

O chamado primeiro é o de anunciar, evangelizar. A música torna-se um instrumento, no qual o Pai se usa de um talento, ou inclinação natural.

Entendamos: Nas várias disposições que o Criador concede à suas criaturas, os talentos são distribuídos conforme sua vontade. Assim como nem todos têm talento para a medicina – por mais que seja algo que possa ser aprendido e aperfeiçoado – nem todos tem talento para música.

Música é um dom quando é dado por Deus a fim de servir aos outros, aos irmãos. “O papel do ministro de música é o de levar as pessoas a abrirem o coração ao louvor e a oração por meio da melodia e dos cânticos”, portanto é o caminho pelo qual Deus chegará ao coração do seu povo.

Não é nada incomum irmos para uma Missa e sermos deslumbrados com a harmonia, composições e melodias emitidas pelos ministros de música. Assim como, também não é incomum sairmos desagradados sensitivamente porque o ministério de música deixou a desejar. A necessidade muitas vezes obriga irmãos que não tem tanta aptidão e sensibilidade a enveredar pela música para que a missa não fique descoberta. Porém, é importante que o irmão reflita acerca de suas aptidões, pois talvez não se trate de talento natural, mas de uma disposição interior que precisa de esforço para alcançar a excelência, e exigirá muito aprendizado.                                

O aprendizado exige esforço

Como fora dito, quando se trata de música, por mais talentoso que alguém seja, será necessário o aprofundamento. Seja do ponto de vista carismático – com aprofundamentos espirituais, retiros e formações -, seja do ponto de vista técnico. Afinal, música é técnica: encontramos nela matemática, física, o bom uso das línguas, entre outras. A música traduz a cultura, a história, a vitalidade, a superação de um povo, de uma comunidade. Portanto, é muito mais do que simplesmente cantar aquele velho repertório em uma missa, .

Quando se trata de canto litúrgico é preciso que o músico se debruce na liturgia, acerca do que a Igreja fala aos seus fiéis naquela celebração.

Não posso escolher as músicas litúrgicas a partir do meu gosto pessoal. É preciso fazer com que o povo de Deus celebre e cante o que está sendo celebrado. Não estamos falando aqui de artista populares – que tem como objetivo passarem uma ideologia, serem assistidos e/ou ovacionados. Estamos falando de irmãos da comunidade de fé que, graças a um talento, se dispuseram ao louvor de Deus através da música. Como diz o Catecismo da Igreja Católica, “participam assim [os músicos] na finalidade das palavras e ações litúrgicas: a glória de Deus e a santificação dos fiéis” (CIC 1157).

Portanto, música além de ser um chamado, um talento, um dom, é algo que exige esforço, dedicação e inclinação ao aprendizado constante. Não sejamos preguiçosos com o dom dado por Deus. Não obstante tantas vezes termos a tendência de delegar tudo para Deus, quando se trata de aperfeiçoar nossos talentos, isso parte de uma disposição na nossa decisão de servi-lo e amá-lo através do que fazemos em vista da edificação do seu Reino.

Aprenda a discernir sua vocação! Confira nosso infográfico 6 passos para discernir sua vocação e aprofunde-se ainda mais.  

Tags:

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.