Praça dos Girassóis — Palmas, TO

(63) 3213-3633

Notícias › 03/06/2019

Papa beatifica 7 bispos: mártires da fé que deixaram ao povo romeno uma herança preciosa

O Papa Francisco deixou Bucareste, na manhã de domingo (02/06), último dia de sua visita à Romênia, em direção a Sibiu.

Ao chegar a Sibiu, embarcou num helicóptero e foi a Blaj, onde beatificou sete bispos greco-católicos mártires romenos, durante a Divina Liturgia, celebrada no Campo da Liberdade.

Os sete bispos greco-católicos mártires beatificados são: Vasile Aftenie (1899-1950), bispo titular de Ulpiana e bispo auxiliar da Arquieparquia de Alba Iulia e Făgăraș; Valeriu Traian Frenţiu (1875-1952), bispo de Oradea; Ioan Suciu (1907-1953), administrador apostólico da Arquieparquia de Alba Iulia e Făgăraș; Tit Liviu Chinezu (1904-1955) bispo auxiliar da Arquieparquia de Alba Iulia e Făgăraș; Ioan Bălan (1880-1959), bispo de Lugoj; Alexandru Rosu (1884-1963), bispo de Maramureș; e Iuliu Hossu (1885-1970), bispo de Cluj Gherla.

A lógica do Senhor é diferente

“O cego de nascença” foi a passagem do Evangelho de São João que norteou a homilia do Papa Francisco.

“Jesus, como os seus discípulos, vê o cego de nascença. É capaz de o reconhecer e colocá-lo no centro. Depois de ter declarado que a sua cegueira não era fruto do pecado, mistura o pó da terra com a sua saliva e, com a lama feita, unge os seus olhos; depois ordena-lhe que vá lavar-se na piscina de Siloé. Depois de se ter lavado, o cego recupera a vista.”

Francisco disse que “é interessante notar que o milagre é narrado apenas em dois versículos; todos os outros concentram-se, não sobre o cego curado, mas sobre as discussões que levanta. Parece que a sua vida e especialmente a sua cura se tornem banais, jocosas ou motivos de debate bem como de enfado e irritação”.

“Toda a cena e as discussões revelam como é difícil entender as ações e as prioridades de Jesus, capaz de trazer para o centro aquele que estava na periferia. O cego tinha de conviver não apenas com a sua própria cegueira, mas também com a daqueles que o rodeavam”, frisou o Papa que acrescentou:

“É o que fazem as resistências e hostilidades que surgem no coração humano, quando no centro, em vez das pessoas, se colocam interesses particulares, rótulos, teorias, abstrações e ideologias, que, onde campeiam, nada mais fazem senão cegar tudo e a todos. Mas a lógica do Senhor é diferente: longe de se esconder na inatividade ou na abstração ideológica, procura a pessoa com o seu rosto, com as suas feridas e a sua história. Vai ao encontro dela, e não Se deixa enganar por discursos que são incapazes de dar prioridade e pôr no centro aquilo que realmente é importante.”

Liberdade e misericórdia: heranças dos novos beatos

O Papa sublinhou que “estas terras conhecem bem o sofrimento do povo, quando o peso da ideologia ou dum regime é mais forte do que a vida e se antepõe como norma à própria vida e à fé das pessoas; quando a capacidade de decisão, a liberdade e o espaço para a criatividade se veem reduzidos e até eliminados”.

“Vocês suportaram os discursos e as intervenções baseadas no descrédito que chegavam à expulsão e aniquilação de quem não se pode defender, e silenciavam as vozes dissonantes”, disse ainda Francisco.

“Pensemos, em particular, nos sete Bispos greco-católicos que tive a alegria de proclamar Beatos. Perante a feroz opressão do regime, demonstraram uma fé e um amor exemplares pelo seu povo. Com grande coragem e fortaleza interior, aceitaram estar sujeitos a dura prisão e a todo o tipo de maus-tratos, para não renegar a pertença à sua amada Igreja. Estes pastores, mártires da fé, recuperaram e deixaram ao povo romeno uma herança preciosa que podemos resumir em duas palavras: liberdade e misericórdia.”

A propósito da liberdade, Francisco destacou o fato de a Divina Liturgia ser celebrada no «Campo da Liberdade».

“Este significativo lugar recorda a unidade de seu povo que se realizou na diversidade das suas expressões religiosas: isto constitui um patrimônio espiritual que enriquece e caracteriza a cultura e a identidade nacionais romenas. Os novos Beatos sofreram e sacrificaram a sua vida, opondo-se a um sistema ideológico iliberal e coercivo dos direitos fundamentais da pessoa humana. Naquele triste período, a vida da comunidade católica foi colocada a dura prova pelo regime ditatorial e ateu: todos os bispos e muitos fiéis da Igreja Greco-Católica e da Igreja Católica de Rito Latino foram perseguidos e encarcerados.”

Mensagem profética

O outro aspeto da herança espiritual dos novos Beatos é a misericórdia.

“Neles, a tenacidade em professar a sua fidelidade a Cristo foi acompanhada por uma disposição ao martírio sem palavras de ódio contra os perseguidores, em relação aos quais demonstraram uma substancial mansidão. É eloquente o que declarou durante a sua prisão o Bispo D. Iuliu Hossu: «Deus mandou-nos para estas trevas do sofrimento, a fim de perdoar e rezar pela conversão de todos».”

“Estas palavras são o símbolo e a síntese da atitude com que estes Beatos, no período da provação, sustentaram o seu povo para continuar confessando a fé sem cedências nem retaliações. Esta atitude de misericórdia para com os verdugos é uma mensagem profética, porque aparece hoje como um convite a todos a superarem o rancor com a caridade e o perdão, vivendo com coerência e coragem a fé cristã.”

Novas ideologias

Francisco destacou que “também hoje voltam a surgir novas ideologias que procuram, de maneira sutil, impor-se e desarraigar o nosso povo das suas mais ricas tradições culturais e religiosas. Colonizações ideológicas, que desprezam o valor da pessoa, da vida, do matrimónio e da família e, com propostas alienantes e não menos ateias do que no passado, lesam de modo particular os nossos jovens e crianças deixando-os privados de raízes que lhes permitam crescer. E então tudo se torna irrelevante, se não servir os próprios interesses imediatos, e induz as pessoas a aproveitarem-se umas das outras e a tratá-las como meros objetos. São vozes que, semeando medo e divisão, procuram cancelar e sepultar a herança mais preciosa que estas terras viram nascer”.

Fraternidade e o diálogo

O Papa incentivou os romenos a levarem a luz do Evangelho às pessoas do nosso tempo e continuarem lutando, como os bispos beatos mártires, contra as novas ideologias que vão surgindo.

Que vocês sejam “testemunhas de liberdade e misericórdia, fazendo prevalecer a fraternidade e o diálogo sobre as divisões, incrementando a fraternidade do sangue que tem a sua origem no período de sofrimento em que os cristãos, divididos ao longo da história, se descobriram mais próximos e solidários”, concluiu.

Dados sobre a Divina Liturgia

Liturgia: o cálice e o evangeliário da Missa são os mesmos utilizados por um dos mártires, o bispo Traian Frentiu, o mais idoso no momento da prisão dos bispos greco-católicos romenos.
A cadeira litúrgica da Missa é feita de tábuas de madeira dos leitos das prisões e com as barras de ferro das janelas das prisões onde morreram os novos beatos.

História: desde a noite de 28-29 de novembro de 1948, quando todos os bispos greco-católicos foram presos, até 25 de dezembro de 1989, fim do regime comunista, a única Divina Liturgia em romeno para os fiéis era a transmitida pela Rádio Vaticano.

Outros dados:

Na Divina Liturgia em Blaj, presidida pelo Papa Francisco, estavam presentes – segundo os organizadores locais – cerca de 100.000 pessoas. Entre as autoridades presentes: o presidente Klaus Iohannis, a primeira-ministro Viorica Dancila com alguns membros do governo e o prefeito de Blaj.

Além dos fiéis reunidos no Campo da Liberdade de Blaj, outras 20.000 pessoas seguiram a Divina Liturgia em telões em algumas das praças de Blaj.

Via Vatican News

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.